Cranioplastia: cuidados pós-operatórios

Assunto: Cranioplastia

 

Conheça algumas das medidas que podem assegurar uma boa recuperação após uma cranioplastia.

Existem alguns motivos para que alguém procure assistência médica visando um procedimento de cranioplastia. Deformidades genéticas, retirada de tumores, traumas causados por acidentes ou até mesmo em decorrência de uma cirurgia anterior são alguns deles.

Essa é uma questão que exige cuidado e que precisa ser tratada por profissionais com a devida expertise. Felizmente, nos dias atuais, ela tem evoluído bastante em decorrência dos avanços tecnológicos na produção das próteses utilizadas nesses procedimentos.

Um exemplo disso e que já está sendo aproveitado por muitos pacientes são as próteses criadas com o auxílio de moldes para moldagem em material acrílico PMMA, e impressões 3D em materiais como o PEEK ou o Titânio, que possui alta biocompatibilidade, osseointegração e custos mais acessíveis.

Entretanto, por mais que a medicina como um todo avance e que as técnicas empregadas em procedimentos cirúrgicos sejam aprimoradas, não se pode esquecer que bons resultados decorrem, em grande parte, dos cuidados que os pacientes têm em seus períodos pós-operatórios.

Pensando justamente em dar destaque à importância desse tema, na sequência você confere algumas recomendações cruciais na hora de garantir uma boa recuperação após uma cranioplastia.

A importância do repouso

Começando por uma recomendação bastante básica e conhecida pelo público em geral: permita-se ter momentos de repouso.

Seja num pós-operatório ou recuperando-se de uma gripe comum, desde cedo aprendemos que quando nosso corpo está em estado debilitado precisamos reduzir um pouco nossas atividades e permitir que nosso organismo concentre suas energias na recuperação.

Mesmo que você tenha uma rotina extremamente atarefada e corrida, procure reorganizar-se para ter espaço para simplesmente descansar. Pense que é apenas uma medida temporária e que vai lhe ajudar a se recuperar mais rápido.

Evitando atividades de risco

Após um procedimento cirúrgico, muitas pessoas podem ficar ansiosas para retornar ao futebol, academia, andar de bicicleta ou atividades afins. Só que essa questão não depende do quão apto o paciente está se sentindo a realizar uma atividade dessas.

O que acontece é que, por melhor que o indivíduo esteja se sentindo, no caso de algum acidente que possa afetar o local da cirurgia, há chances de todo o progresso da recuperação ser perdido, podendo até criar a necessidade de um novo procedimento.

Sendo assim, evite atividades que possam oferecer algum risco para sua recuperação – por menor que ele seja – e confie nas recomendações do seu médico.

Capriche na alimentação

Talvez um dos pontos mais importantes de um pós-operatório seja sua alimentação. Se seu corpo está dispendendo energia e nutrientes para realizar as funções necessárias para se recuperar, faz todo o sentido que você forneça essa energia e nutrientes em abundância.

Por isso, esqueça dietas de emagrecimento e coisas do tipo, pois esse é um momento em que a recuperação é a prioridade número um.

Alimentos com açúcares refinados, gorduras trans e saturadas, por exemplo, devem ser evitados, pois prejudicam os processos anti-inflamatórios do organismo.

Em contrapartida, há diversos alimentos que devem, sim, ser consumidos e que ajudam na sua recuperação. Aqueles que são ricos em vitamina D e cálcio, por exemplo, como vegetais verdes, peixes, iogurtes, feijões, entre outros.

Também não se deve esquecer daqueles alimentos que possuem as chamadas “gorduras boas”, como nozes, castanhas, amêndoas e sementes em geral.

E, claro, aposte sempre num alto consumo de vitaminas, pois elas estão entre as principais influenciadoras do bom funcionamento do nosso sistema imunológico e do organismo como um todo.

Evitando álcool e cigarro (tabagismo)

Pensando em alguns dos vícios comuns do brasileiro, não podemos deixar de falar sobre o consumo de álcool e o tabagismo.

O que acontece é que produtos dessa natureza interferem muito no equilíbrio e no bom funcionamento do organismo, o que inclui os processos anti-inflamatórios, tão cruciais para a recuperação.

Independentemente de quais sejam os hábitos, qualquer um que esteja em período pós-operatório deve riscar da lista o consumo de álcool e tabaco, a fim de não pôr em risco os resultados do procedimento e para não atrasar a recuperação.

Cuidado extra com a hidratação

Muitos já ouviram falar que cerca de 60% do peso corporal de um adulto advém da água presente no organismo. Isso continua sendo uma verdade e certamente é um indicativo da importância da hidratação para a manutenção das nossas funções vitais.

Assim, é fácil perceber que, num pós-operatório período em que o corpo exige ainda mais recursos para se recuperar –, deve-se ter atenção redobrada com a hidratação, consumindo pelo menos 3 ou 4 litros de água por dia.

Movimentação e retomada gradual de atividades

Nós já falamos sobre a importância do repouso, mas isso não significa que alguém que esteja se recuperando de uma cirurgia deva permanecer na total inércia. Pelo contrário: a movimentação e a retomada gradual de exercícios e atividades diversas pode contribuir imensamente com a recuperação de uma pessoa.

Em outras palavras, na medida em que alguém se sente apto a realizar mais tarefas e, logicamente, com o aval médico prévio, esse indivíduo deve, sim, voltar a realizar seus afazeres do dia a dia, caminhadas ou outras atividades suaves que estimulam a circulação sanguínea, o metabolismo e a produção de serotonina.

Controlando os medicamentos

Para algumas pessoas, seguir um protocolo de medicação pode ser difícil. Porém, seja qual for o caso, manter um rígido controle de quais medicações tomar, em quais horários e por quanto tempo é também um dos fatores mais importantes para uma boa recuperação.

Já como se organizar para isso fica sob a responsabilidade do indivíduo: bloco de anotações, alarmes no celular, caixinhas separadoras… O importante é não esquecer do protocolo fornecido pelo seu médico!

Seguindo à risca as recomendações médicas

Concluímos com a recomendação mais abrangente (e talvez importante) de todas: seguir à risca as recomendações médicas.

Por mais que apresentemos conselhos de natureza geral e que possam ser aplicados a muitos casos, as melhores recomendações são aquelas que o seu médico, que conhece o seu caso, suas condições e suas particularidades, lhe fornece.

E isso diz respeito a tudo que comentamos anteriormente: alimentação, atividades, medicamentos, repouso… Inclusive, é seu médico que estará disponível para que você tire dúvidas e faça o acompanhamento periódico após o procedimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *